Error, group does not exist! Check your syntax! (ID: 18)
Error, group does not exist! Check your syntax! (ID: 18)
Published On: 8 Out, 2021

Cobras da Ilha Fernandina de Galápagos apresentam comportamento canibal

A descoberta faz parte de um estudo de larga escala sobre a história natural e a diversidade de cobras da região insular do Equador, revelam em comunicado.

Um estudo realizado por cientistas de uma universidade neozelandesa e do Parque Nacional de Galápagos revelou que as cobras da Ilha Fernandina, no oeste do arquipélago, apresentam um comportamento canibal, informou o ministério do Ambiente equatoriano. Os resultados da investigação da Universidade de Massey e dos guardas do Parque Nacional de Galápagos (PNG) foram publicados na revista científica “The Herpetological Bulletin”, com uma vasta documentação sobre a captura de exemplares e um registo fotográfico que prova o comportamento canibal daqueles répteis.

O diretor do PNG e coautor do estudo, Danny Rueda, explicou que no decorrer dos trabalhos de campo foram capturadas e medidas 93 cobras no Cabo Douglas, da Ilha Fernandina, assim como 61 amostras de excrementos que foram recolhidas e analisadas. “Em onze das amostras de excrementos ou fezes foram encontrados dentes e fragmentos de pele que confirmam o comportamento canibal das cobras do ocidente de Galápagos (Pseudalsophis occidentalis)”, afirmou o investigador. Numa das amostras foram encontrados 31 dentes e restos de pele, segundo Luis Ortiz-Catedral, responsável pela investigação iniciada em 2018.

A descoberta faz parte de um estudo de larga escala sobre a história natural e a diversidade de cobras da região insular do Equador, onde existem nove espécies identificadas. Além disso, fornece informação sobre as relações tróficas destes répteis, o que permite gerir melhor as atividades de manipulação da área protegida e destas espécies.

Declarado património da humanidade em 1978, o arquipélago das Galápagos situa-se a cerca de mil quilómetros da costa continental do Equador e abrigam uma enorme biodiversidade de espécies. O arquipélago, cujo nome se deve às tartarugas gigantes que o habitam, é formado por 13 grandes ilhas, seis menores e 42 ilhotas, sendo considerado um laboratório natural que permitiu ao cientista inglês Charles Darwin desenvolver a sua teoria da evolução e seleção natural das espécies.

VET/LUSA

ler mais
Error, group does not exist! Check your syntax! (ID: 19)
Error, group does not exist! Check your syntax! (ID: 19)
ler mais