Sob o tema “Proteger o mar, o futuro da Terra”, a Fundação Oceano Azul irá disponibilizar uma bolsa no valor de 150 mil euros para projetos de investigação e proteção de invertebrados marinhos, na 3ª edição do Fundo para a Conservação dos Oceanos.

O fundo concentra-se este ano nos invertebrados, que representam “cerca de 97 por cento do número total de espécies animais existentes” na Terra. Contudo, estima-se que apenas se conheçam 10% destas espécies. Sendo estes os espécimes que formam populações-chave em todos os ecossistemas do planeta, particularmente nos ecossistemas marinhos, é de extrema importância que se desenvolvam programas de preservação destes animais, bem como da sensibilização populacional para o facto destas espécies se encontrarem ameaçadas pela pesca e exploração excessiva, destruição de habitats, alterações climáticas e poluição.

A curadora do Oceanário, Núria Baylina, afirmou que espécies de invertebrados como o cavaco (Scyllarus arctus) ou o coral vermelho (Corallium rubrum) têm “diminuído drasticamente” e de outras como os pepinos do mar, não se conhece o estado, por isso os invertebrados merecem uma “especial atenção”.

As candidaturas decorrem até 07 de julho até às 18h e pode submeter a sua candidatura aqui.

Erica Quaresma