Um estudo desenvolvido por cientistas da Universidade de Sophia, em Tóquio, Japão, confirma o que muitos já davam como provado, apesar de até então não haver provas científicas de que fosse verdade – à semelhança dos cães, também os gatos reconhecem o seu nome quando são chamados.

Publicado na revista Scientific Reports, esta investigação contou com a participação de 78 animais domésticos de habitações privadas ou de “cat cafés”. Estes pequenos animais de estimação foram alvo de diversas experiências, com o objetivo de perceber se conseguiam identificar o seu próprio nome quando chamados pelo dono, reagindo quando são chamados.

Para tal, e segundo o Público, os investigadores aplicaram um método designado de “habituação e desabituação”, que consiste, numa primeira fase, em apresentar aos animais quatro palavras diferentes e, posteriormente, chamá-los pelos seus nomes. Na primeira etapa, o estímulo abrange palavras similares, fonetica e silabicamente, ao nome do animal.

“O resultado das experiências seria positivo se se verificassem reações familiares com as primeiras quatro palavras e não com o nome”, mas, se mesmo assim, houvesse uma reação no momento em que se dizia o nome do animal. “As reacções mais registadas pelos autores do estudo foram movimentos de orelhas, pescoço e da cauda, assim como o típico miar”, adianta o referido órgão de comunicação social.

No caso dos gatos residentes em habitações particulares que convivem com outros animais da mesma espécie, o seu nome pode ser invocado pelo dono ou por outra pessoa, visto conseguirem fazer a sua identificação e desencadear uma ação à chamada de atenção do dono ou de outras pessoas que não conheciam.

No entanto, provou-se que os que residem em “cat cafés” não conseguem distinguir o seu nome do dos restantes animais. De acordo com os autores do estudo, tal acontece devido “à frequência com que os gatos ouvem o seu nome agregado ao dos restantes gatos, o que os faz associar todos os nomes a uma situação de repreensão ou recompensa”.

Os cientistas explicam que o reconhecimento “prende-se com o facto de o nome do gato ser considerado um estímulo saliente”, como as palavras mais utilizadas pelos donos quando estão a dar recompensas, como comida, mimos ou brincadeira. Os felinos identificam o seu nome devido à distinção fonética que fazem dos sons que ouvem.

Assim sendo, este estudo complementa uma investigação científica sobre a interação entre os gatos e os humanos, na medida em que estes pequenos animais, através das variações sonoras que emitem, e tal como os bebés humanos, ilustram necessidades específicas, como fome, dores, etc.

Erica Quaresma

ler mais