“O nascimento desta ave marinha ameaçada é prova do sucesso dos trabalhos de conservação desenvolvidos na ilha durante os últimos quatro anos”, refere em comunicado a SPEA, que coordena o projeto de investigação Life Berlengas.

O projeto acabou com a existência de ratos e outros predadores e o roque-de-castro tem-se refugiado em pequenos ilhéus, tendo a Berlenga se tornado num porto seguro.

Além dos Açores e da Madeira, o único outro local onde se sabia de ninhos de roque-de-castro eram os Farilhões, que integra o arquipélago das Berlengas.

LUSA