Atualmente, salienta a revista, existem no mundo menos de 4.000 tigres em estado selvagem, com os esforços para proteger esses animais a chocarem com a incerteza sobre se representam seis, cinco ou apenas duas subespécies.

A investigação agora divulgada confirma a existência de seis subespécies identificadas, que incluem o tigre de Bengala, o tigre de Amur, o tigre do sul da China, o tigre de Sumatra, o tigre da Indochina e o tigre da Malásia. Três outras subespécies de tigres já estão extintas.

“A falta de consenso sobre o número de subespécies de tigre tem dificultado os esforços globais para recuperar populações à beira da extinção, já que tanto a reprodução em cativeiro como a intervenção nas populações selvagens exigem cada vez mais uma delineação explícita das unidades de conservação”, disse Shu-Jin Luo, da Universidade de Pequim.

O investigador acrescenta que o estudo, divulgado esta quinta-feira, é o primeiro a “revelar a história natural do tigre a partir de uma perspetiva genómica completa”, e fornece provas para a origem e evolução da espécie.

Luo e os restantes investigadores, incluindo o principal autor do estudo, Yue-Chen Liu, perceberam que a triagem de todo o genoma era a única forma de entender como grupos distintos de tigres passaram por uma seleção natural para se adaptarem a ambientes também distintos.

Fósseis mostram a existência de tigres há três milhões de anos mas as provas genómicas mostram que os tigres atuais remontam a um período de há cerca de 110.000 anos.

O estudo nota que as subespécies de tigre têm características distintas. Por exemplo o grande tigre de Amur tem pelo laranja pálido e o tigre de Sumatra é mais pequeno e tem pelo mais escuro, apesar de os dois terem um ancestral comum.

“Os tigres não são todos iguais. Os tigres da Rússia são evolutivamente distintos dos da índia. Até os tigres da Malásia e da Indonésia são diferentes”, disse Luo.

Os investigadores notam que a origem do tigre do sul da China permanece sem solução, porque foi usado para o estudo apenas um exemplar de cativeiro, já que as populações selvagens foram todas extintas.

LUSA

ler mais