Os membros da Coligação Global para o Bem-Estar Animal (GCAW, na sigla inglesa) são Aramark, Compass Group, Elior Group, Ikea Food Services, Nestlé, Sodexo e Unilever, que trabalham para 3,7 bilhões de clientes diariamente.

Nos próximos meses, representantes das sete empresas vão reunir-se com especialistas em bem-estar animal para discutir formas de melhorar os padrões da cadeia de abastecimento, com foco em políticas livres de jaulas, nas condições para frangos e peixes de criação, na resistência antimicrobiana e no transporte e abate de animais.

De acordo com o The Guardian, os ativistas receberam bem a decisão, mas estão céticos sobre se trará mudanças. “Se a coligação sair com compromissos firmes, que atraiam um interesse genuíno, então sim, isso fará uma diferença comercial. A iniciativa não teria sentido se fracassasse”, disse Nick Palmer, da Compassion in World Farming, uma organização pela defesa dos animais de criação, citado pelo referido jornal.

Algumas destas empresas já estiveram envolvidas em polémicas relacionadas com o bem-estar animal. Em 2015, a Nestlé foi acusada fazer experiências com animais e, no ano passado, alguns ativistas alegaram que a Ikea estava a atuar contra os seus compromissos com o bem-estar animal.

“Estamos a assistir a um foco real da Ikea Food Services em perceber como pode adotar uma posição de liderança no bem-estar. Todas essas empresas reconhecem o valor da propaganda ao serem vistas como uma organização responsável e confiável”, disse Nicky Amos, secretária da coligação.

Vet-Online

ler mais